Notícias

PIB DO 2º TRIMESTRE MOSTRA DINAMISMO NA ECONOMIA PERNAMBUCANA

/image/journal/article?img_id=68972773&t=1631108792038

Publicada em: 03 / 09 / 2021

 

No segundo trimestre de 2021, o Produto Interno Bruto (PIB) de Pernambuco, a preços de mercado (PIB/PE), apresentou crescimento de 10,5% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, enquanto a economia nacional registrou 12,4%.   Estes dados foram divulgados pela Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco - Condepe/Fidem, nesta quinta-feira (02.09), durante videoconferência direcionada para a imprensa. Em termos de valores correntes a economia pernambucana agregou R$ 38,4 bilhões, no 2º trimestre.

Este desempenho decorreu do comportamento dos três grandes setores econômicos. Os números da Agropecuária (3,8 %), da Indústria (28,3 %) e o de Serviços (6,7%). Também foram apresentados dados referentes ao mês de junho e um balanço do acumulado semestral.

 

A presidente da Agência Condepe/Fidem, Sheilla Pincovsky, afirmou que com as projeções mensais que a instituição vem fazendo será possível avaliar o ritmo da recuperação da economia diante da crise econômica causada pelo Covid-19. “mas, é necessário este acompanhamento mensal, pois existem fatores atuais como a crise energética/hídrica e a inflação eu vão impactar nos números do PIB futuramente”, lembrou a gestora estadual.

A projeção da Agência Condepe/Fidem para a economia pernambucana é de que continue em ritmo de recuperação, o que depende de medidas adotadas diante da pandemia do Covid-19. Os dados mostram que o Governo de Pernambuco vem realizando importantes investimentos para impulsionar esta retomada. Segundo o diretor de Estudos e Pesquisas, Maurílio Lima, as maiores contribuições para o resultado do PIB do segundo trimestre vieram da dinâmica industrial, em especial da indústria da transformação (39,%).  A construção civil obteve um bom desempenho (19,9%) e a produção e distribuição de eletricidade, gás, água, esgoto e limpeza urbana contribuiu com 7,3% do PIB pernambucano.

 

O Setor Agropecuário apresentou variação de 3,8%, destacando-se as lavouras temporárias: 2,7% para arroz, cebola, melão, abacaxi, e batata-doce e as permanentes: 3,0% para café, maracujá, manga, uva e coco-da-baía. O setor de Serviços também impactou positivamente no PIB trimestral, com a área de transporte, armazenagem e correio contribuindo com 25,1% e o comércio 20,6%.

 

No balanço semestral, a divulgação apontou ainda que o PIB de Pernambuco fechou em 5,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Se compararmos algumas atividades, como a Agropecuária, a Indústria (total), a de Transformação e a Construção Civil, Pernambuco cresceu mais que o Brasil, com percentuais de 8%, 16,4%, 20,5% e 13,8%, respectivamente, contra os percentuais nacionais de 3,3%, 10%, 15% e 5,8%.